22.11.13

E SE OS ATEUS ESTIVEREM ERRADOS?

No terceiro texto, com temas religiosos, devagarei nessas linhas sobre a questão da crença na não existência de um Deus. E nos reflexos que isso ocasionariam para a humanidade.


Por: Pedro Almeida

Vamos considerar a seguinte hipótese: Deus existe. O ser onipotente e onisciente desceu pessoalmente na terra, bateu no peito e gritou: "Vamo parar como essa babaquice toda, sim eu existo e to de olho em vocês!". Depois se desfez em uma fumaça e desapareceu. 

O impacto de tal revelação chocou a humanidade, que agora, provada a existência, tinha plena consciência de seus atos. Levando em consideração isso, seria possível afirmar que o mal do mundo acabaria? Já que  agora, 7 bilhões de pessoas estão competindo por um espaço no paraíso. Se isso for verdade, a culpa por guerras, fome, miséria, exploração, seriam exclusivas dos ateus? Uma vez que eles não consideram a hipótese de um criador, vivem a vida no estilo "vida loca".

Acredito eu que não. O mundo pode estar semeado de ateus, agnósticos, crentes, e não crentes, mas no fundo, todos são uma coisa só. Humanos. E são esses seres, provenientes de um ancestral em comum do macaco, ou do barro, que constroem a história. A culpa do mal, da fome, do aquecimento global, dos filmes do crepúsculo, e tudo o mais que não é bom para o homem, não é ocasionada pelo medo de não ir para o céu, medo esse justificado por uma não crença. Tais problemas, são apenas o reflexo de uma falha, uma simples característica do Homo Sapiens, a de ser mortal.



Assim como gerar um problema, a solução para tal, também vem do próprio homem. Acho que não precisamos esperar fazer contato com uma civilização alienígena, ou fazer um talk show com Deus, para mudar a maneira de conduzir a enorme geodesia batizada de Terra. Certos ou errados, ateus e crentes tem uma coisa em comum, são humanos, se apaixonam, sorriem, choram, tem filhos e amigos, e no fim, quando morrem, só restam histórias. Se vão voltar ou continuar, ninguém sabe, então, porque não fazer uma história que vale a pena ser perpetrada. 

...

Gostou? Não Gostou? O que achou? Se ficar com vontade, comente!

21.11.13

O CHAMADO DO CUCO





Por: Pedro Almeida

Autor da aclamada série infanto-juvenil, Harry Potter, J.K. Rowling, surpreende ao lançar livro com pseudônimo de Robert Galbraith. Em uma entrevista a escritora revelou que dessa maneira se sentiu mais livre para escrever, sem a pressão do nome que ela carrega. Modéstia ou estratégia de marketing, o fato é que seu novo livro se tornou best-seller assim que o segredo foi revelado.

Após o sucesso que seu último livro, Morte Súbita, ficou evidente que Rowling agora pretende escrever para um público mais adulto, deixando de lado a fantasia e se entregando as tramas mais sombrias. Analisando por um lado, fica claro que a maioria dos fãs que acompanharam a saga que a fez renomada, hoje, estão mais crescidos e podem acompanhar a evolução junto com a sua escritora.

CRÍTICA:


Nota: 9,0 

O Chamado do Cuco (The Cuckoo's Calling) com toda a certeza vai surpreender e cativar os ávidos amantes da literatura policial. A trama esta centrada no suposto suicídio da famosa modelo Lula Landry, seu irmão, decidido a provar que a famosa foi assassinada, contrata os serviços do detetive particular Cormoran Strike. Este por sua vez, está falido, foi largado pela esposa que amava, e ainda é assombrado pelos fantasmas do passado, tanto pela guerra que lutou, quanto pela infância turbulenta. Rowling mostra aqui sua excelente capacidade de criar personalidades, fazendo com que assim, os leitores se identifiquem com a história.

Morando no próprio escritório, e contando com a ajuda da prestativa e inteligente nova secretária temporária, Robin, que assim como ele é apaixonada pela rotina das investigações, Cormoran parte para a missão, entrevistando todos os envolvidos na história da modelo nos dias antes de sua morte. 

A investigação faz com que o detetive mergulhe no submundo das celebridades, da imprensa de fofoca, drogas, pubs, baladas e becos. A cada entrevista que ele faz fica claro uma coisa, ninguém é santo nessa história, e as surpresas finais chocam tanto o leitor quanto a própria identidade do assassino. Mostrando que por de trás de cada rosto bem maquiado e de uma conta bancária de vários digítos, medos, transtornos, e faltas de pudor são constantes.

A narrativa é bem construida e de fácil interpretação, Rowling domina a arte de prender o leitor. Você começa lendo um capítulo e repete para si mesmo: Só mais um. Quando percebe, o livro já acabou, e então você fica triste e louco para ler mais um.

Na minha opinião, Rowling peca em apenas um quesito. A falta de ação no livro, é algo notório, afinal, uma história de detetive, merecia, uma cena de perseguição ou algo do tipo, mesmo a luta corporal entre Cormoran e o assassino no final do livro, dura poucos caracteres e não convense, contudo, mesmo assim, o livro é digno de boa nota.



18.6.13

SOMOS RICOS (SÓ QUE NÃO)

O artigo de hoje do Espaço Vesânico, é uma contribuição de um dos nossos leitores, o acadêmico do curso de Jornalismo da PUCPR, Everton Lima. Boa leitura.



Recentemente, um boato envolvendo o programa social Bolsa- Família chamou a atenção de todos os brasileiros. Centenas de pessoas foram até as agências da Caixa Econômica Federal sacar seus benefícios antes que os mesmo fossem recolhidos pelo governo. É desconhecido até o momento o responsável pela boataria, ou mesmo, os motivos que  o levaram a fazer isso. O fato é que essa movimentação por parte dos beneficiários do Bolsa Família, levantou novamente a questão da dependência de quem participa de programas sociais em relação aos mesmo. Fica o questionamento: Por que o Brasil sendo a 6ª economia mundial precisa dar a uma significativa parcela de sua população uma ajuda mensal para que a mesma não passe fome?
 Pois bem,  em 2003 quando assumiu a presidência, o ex-torneiro mecânico Luis Inácio Lula da Silva propôs ao seu governo um desafio: Acabar com a fome no Brasil. Para isso lançou aquele que seria o carro-chefe de seu governo o programa Fome Zero. O governo adaptou programas sociais já existentes – Vale Gás e Bolsa Escola -  e os ampliou, criando assim o Bolsa Família e retirando mais de 40 milhões de brasileiros da linha de extrema pobreza. Fornecendo cerca de R$ 70,00 a esses brasileiros – desde que os mesmo repeitem as regras do programa, que incluem a vacinação das crianças e a frequência delas nas escolas -  o governo não apenas garante a eles o acesso mínimo à alimentação, como garante também acesso mínimo das crianças à saúde e à educação.  Mas por quê mais de 40 milhões de pessoas já não tinham acesso a esses serviços considerados básicos para a sobrevivência humana e garantidos pela constituição?
O governo que antecedeu o governo Lula, foi o do presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC). Este governo assim como os anteriores a ele, teve como pricipal fonte de preocupação o processo inflacionário da economia brasileira. Portanto, nunca antes a parcela populacional que vivia em estado de pobreza extrema teve ações governamentais direcionadas à ela, até porque, o país passou por diversas crises políticas em sua história, experimentando apenas no final do século XX e começo do XXI uma democracia plena.
As diversas crises políticas vivenciadas pelo Brasil ao longo dos anos culminaram em um sistema político corrupto e ineficaz, que não possui a participação plena dos cidadãos. O cidadão brasileiro adquiriu o hábito de procrastinar e esperar do governo soluções imediatas para problemas do cotidiano. Nota-se também uma certa indiferença da população com o sistema educacional brasileiro, considerado um dos piores do mundo. Portanto podemos afirmar que o morador do Brasil aprendeu a cobrar respostas imediatas a problemas do cotidiano, mas ignora soluções ou planos de governo que possam melhorar o país a médio ou longo prazo.
Esse pensamento imaturo, reflete a própria imaturidade do país, que é relativamente jovem se comparado com outras nações do mundo – inclusive com aquelas que figuram no topo das listas de países ricos e/ou desenvolvidos - . Podemos dizer que o Brasil vive hoje sua pré-adolescência, porém carregando traumas de sua infância, já que ainda quando colônia viu seus nativos serem massacrados, e sua cultura, e religião serem obrigatoriamente substituídas pela cultura e religião cristã que vigorava em Portugal, este agindo com o Brasil de maneira semelhante aos gafanhotos que atacam os milharais. Após essa experiência inicial, essa terra que hoje chamamos de Brasil se viu transormar no cativeiro de um povo então desconhecido.  A escravidão negra, acrescentou muito a cultura brasileira,mas é impossível não notar a semelhança entre a pobreza brasileira e a miséria africana. Aliás, essa palavra pobreza, que já foi citada no  texto, nos chama atenção para aquele é de fato o problema do Brasl, e que motivou o governo federal a conceder uma ajuda finaceira – ainda que pequena e somente ela insuficiente para vida digna -  a milhões de brasileiros: A desigualdade social. É engano pensar que essas crises políticas e econômicas que afetaram o país recentemente tiveram impacto semelhante na vida de todos os habitantes do país.
Os Estados Unidos da América, também foi colônia,mas ao contrário do Brasil não foi explorado, não que a Inglaterra assim não desejasse, mas de imediato não viu nada a explorar nas novas terras. Por vários motivos – sobre tudo a perseguição religiosa -  famílias inteiras deixaram a Inglaterra rumo a aquela que no futuro seria a mais rica das nações. Após conseguir a independência instalaram o regime democrático que vigora até hoje. Economicamente se organizaram para ter na América Latina clientes para seus produtos e trabalharam para que os países latino-americanos se tornassem dependentes economicamente dos EUA. Houve grande investimento em educação por parte dos governos estadunidenses, sobretudo em pesquisas científicas. Sem dúvida esses investimentos foram fundamentais para a recuperação do país frente aos danos que crises econômicas o causaram. Teria o governo de Washington conseguido a recuperação econômica do país se este fosse policamente influenciável e dependente cientificamente de outros países?
            Portando, ao tomar a decisão de ajudar por meio de programas sociais uma parcela pobre de sua população, o atual governo reconhece que essa parcela  que precisa de ajuda é apenas um reflexo histórico do país que nunca conseguiu se recuperar de maneira plena dos inúmeros problemas que teve  ao longo dos séculos. É necessário portanto, que o Brasil análise de maneira crítica a própria históra, visando resolver os problemas causados por este impestuoso passado e principalmente evitando novos erros.
É de suma importância que esses programas sociais continuem,mas não é coerente que os beneficiários se tornem dependentes deles. Portanto é preciso reestruturar a vida econômica desses brasileiros o quanto antes para que deixem de participar dos programas sociais governamentais.

 É compreensível que hoje, ainda no século XXI o país tenha de resgatar uma parcela de seus cidadãos da miséria,mas é inadmissível que no futuro exista uma parcela de brasileiros a ser resgatada. 

Everton Luis Almeida de Lima
Graduando do curso de Comunicação Social - Jornalismo, da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Gostou do texto? Quer participar também? envie um e-mail com seu texto/artigo/sugestão que postaremos no blog com os devidos créditos.

homensdeternoverde@gmail.com

12.6.13

A DIFERENÇA ENTRE ATEU E AGNÓSTICO

Continuando a série de textos com temas religiosos, buscamos neste post a explicação de dois termos, que por muitos é facilmente confundido.
 
 


No cenário épico do embate entre religião e ciência vários termos surgem. Dentre tantos, é relevante considerarmos pelo menos dois bem polêmicos, agnosticismo e ateísmo, que muitas vezes, confundem-se no senso comum.
 
É bastante comum a confusão entre ambos termos, sendo eles, bem diferentes. Basicamente enquanto os Ateus negam totalmente a existência de Deus, os Agnósticos ficam, digamos, em cima do muro, não acreditando e nem desacreditando.

No que se concerne aos Ateus, diversar teorias e correntes filosóficas e ideológicas embasam seus argumentos da não existência de Deus ou de qualquer outra forma de manifestação e entidades sobrenaturais. Na discussão religiosa seriam os Ateus os caras que mais sofreriam no inferno (caso eles estejam errados), mas essa questão será fruto de outro post, então, deixaremos os spoiller de fora.

No meio termo entre Teístas e Ateístas estão os Agnósticos. Estes seriam os caras que guiados pela razão e divididos pela fé se questionam. Resumidamente os Agnósticos podem acreditar ou não em Deus, contudo, sua crença esta baseada no conheciemto cientifico, e alegando, que o homem (no sentido humanidade) não possui conhecimento o suficiente para provar a existência de tal entidade, e contradizendo-se, adimitem a possibilidade da existência do criador.

Os Agnósticos dividem-se em duas vertentes, os agnosticos fortes e fracos (não no sentido MMA da palavra). Os agnósticos fortes caracterizam-se pela convicção de se Deus existir isso é irrelevante para a vida na Terra e que a compreensão de uma figura como Deus é inconsebível para a mente humana. Ao contrario deles, os agnosticos fracos adimitem que Deus é uma figura impotente, mas, o homen, não é apto para classifica-lo ou buscar entende-lo, essa vertende basicamente busca mostrar que os erros da religião é motivada pela mente limitada das pessoas, sendo Deus, uma figura que não necessitaria de uma explicação.


RESUMINDO

ATEU - NÃO ACREDITA EM DEUS;


AGNÓSTICO - ACREDITAM OU NÃO, MAS DEFENDEM QUE O HOMEM NÃO TEM CONHECIMENTO SUFICIENTE PARA PROVAR OU NÃO A EXISTÊNCIA DELE;


Pedro Almeida


Tem uma opinião diferente? então post um comentário.

Próximo texto em breve, "E SE OS ATEUS ESTIVEREM ERRADOS?"


 


9.6.13

POLÍTICAS PÚBLICAS E DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: UMA PERSPECTIVA TEÓRICA


Resumo

O objetivo do artigo é apresentar, de maneira normativa, duas visões de democracia, uma minimalista e outra maximalista, a respeito de uma possível participação política da sociedade na formação de políticas públicas. Por meio de algumas ideias minimalistas, apresentarei algumas críticas direcionadas ao ideal de um “bem comum” e de uma vontade sistematizada da sociedade como um todo. E a atuação dos Policy Makers como elaboradores de políticas públicas, e dos burocratas como administradores de tais políticas. Em contrapartida, através de ideias maximalistas, falarei sobre a possibilidade de maior participação por parte da sociedade civil, em busca de uma convergência de interesses, para a elaboração de políticas públicas e, por conseguinte, de uma “vontade geral”. Através de uma análise teórica, descreverei o significado de políticas públicas na prática e sua relação com o atual processo de consolidação de uma democracia participativa na pós-modernidade.

Palavras-chave
: Democracia; Participação democrática; Políticas Públicas.



1.            INTRODUÇÂO

Nos dias atuais, em sociedades pós-modernas, a democracia pode ser considerada o regime de governo mais almejado. Dela decorrem as ideias de auto-governo do “povo”, ou “governo potencialmente de todos”, como diria Sartori. Num regime de governo democrático, os indivíduos, teoricamente, tem a capacidade de, por meio de pequenos grupos ou coalizões políticas, levar os anseios da sociedade adiante no Estado, para que assim os representantes eleitos possam elaborar e administrar políticas públicas que lhes sejam favoráveis, e atendam à “vontade geral”.
Joseph Schumpeter, um dos mais importantes economista da primeira metade do século XX, em crítica a ideia de “bem comum”, diz:
“Não existe algo que seja um bem comum unicamente determinado, sobre os quais todas as pessoas concordem ou seja levadas a concordar através de argumentos racionais. Isso se deve, basicamente, não ao fato de algumas pessoas poderem desejar coisas diferentes do bem comum, mas ao fato muito mais fundamental de que, para diferentes indivíduos e grupos, o bem comum está fadado a significar diferentes coisas.”
 (SCHUMPETER, 1942, p. 314-315).

Em suma, Schumpeter acredita não haver a possibilidade de adequação dos interesses de uma sociedade para geração de uma “vontade geral”. O minimalismo Schumpeteriano é compartilhado por mais autores, como G. Sartori, N. Bobbio e R. Dahl, os quais serão importantes para a formação da crítica a respeito de uma atuação participativa direta da sociedade, por meio da opinião pública, para elaboração de políticas públicas, como acreditava ser possível os maximalistas, os quais serão descritos com mais precisão no decorrer deste artigo.

2.            POLÍTICAS PÚBLICAS
Não há uma única definição de políticas públicas. No entanto, neste artigo vou ressaltar seu papel prático, como ações derivadas do Estado que cumprem o objetivo de atender a determinados anseios da sociedade. Os autores minimalistas diriam que os únicos interesses que os formuladores de políticas públicas desejam atender são os seus próprios, já que a sociedade não possui uma vontade comum. Sendo assim, as políticas públicas seriam um meio de sanar problemas existentes na sociedade.
“Críticos dessas definições, que superestimam aspectos racionais e procedimentais das políticas públicas, argumentam que elas ignoram a essência da política pública, isto é, o embate em torno de idéias e interesses. Pode-se também acrescentar que, por concentrarem o foco no papel dos governos, essas definições deixam de lado o seu aspecto conflituoso e os limites que cercam as decisões dos governos. Deixam também de fora possibilidades de cooperação que podem ocorrer entre os governos e outras instituições e grupos sociais.”
(SOUZA, 2006, p. 25)


Com respeito à referência acima, devo atentar para as últimas palavras da autora, ao dizer que as definições a respeito de políticas públicas como sendo um meio de sanar problemas “deixa de fora a possibilidade de cooperação que podem ocorrer entre os governos e outras instituições e grupos sociais.” E é sobre tal relação de cooperação que Easton (1965) se referia ao afirmar que as políticas públicas são uma espécie de sistema, ou seja, há uma relação entre os Policy Makers, resultados e o ambiente. Segundo ele, “as políticas públicas recebem os inputs dos partidos, da mídia e dos grupos de interesse, que influenciam seus resultados e efeitos.” ( SOUZA, 2006, p. 24)
A sociedade quando organizada em pequenos grupos de interesses ou associações civis pode ter um papel importante de influencia nas ações dos Policy Makers. Os interesses que são discutidos na esfera política, derivados por sua vez de uma série de outros interesses individuais que, como numa soma vetorial, agregaria todos os valores dispostos em cada um dos indivíduos, resultando em uma “vontade geral”.

3.           RELAÇÃO ENTRE POLÍTICAS PÚBLICAS E DEMOCRACIA PARTICIPATIVA
A democracia participativa é o regime que busca a efetividade dos mecanismos de controle da sociedade civil por meio da administração pública, ampliando a noção de democracia e de ação democrática para a esfera social.
Para os maximalistas, os princípios da inclusão, do pluralismo, da igualdade participativa, da autonomia e da justiça social, como diz L. Lüchmann, são as principais características de uma democracia participativa. Segundo a teoria participativa desenvolvida por C. Pateman:
Pode-se caracterizar o modelo participativo como aquele em que se exige o input máximo (participação) e em que o output inclui não apenas políticas (decisões), mas também o desenvolvimento das capacidades sociais e políticas de cada indivíduo, de tal forma que exista um "feedback" do output para o input. (PATEMAN, 1990, p. 43)
A autora utiliza como fonte teórica de sua teoria, a ideia de participação direta de Rousseau, para falar a respeito de efeitos psicológicos positivos que essa participação pode gerar nos indivíduos. A participação direta geraria então maior integração social por conta da convergência entre interesses particulares e coletivos em busca de uma “vontade geral”. No entanto, para haver essa empatia entre os indivíduos, é necessário haver também uma relativa igualdade sócio-econômica, para que não haja certas relações e poder ou dominação decorrentes e nem mesmo a venda de opiniões. Por meio dessa convergência dos interesses então, há uma maior legitimidade das decisões tomadas entre os indivíduos. Pateman aproveita a ênfase que S. Mill da à esfera local como fonte de treinamento, onde se deveria trazer a participação direta, a qual geraria motivação nos indivíduos, em contraponto a Schumpeter, que afirmava serem os indivíduos incapazes de sistematizar seus interesses. A solução para uma evidente apatia política da sociedade seria então democratizar as esferas não políticas, como instituições de ensino, a família, e principalmente o trabalho, ao qual G. H. Cole dá ênfase.
Havendo então uma participação efetiva da sociedade por meio dos mecanismos ofertados pelo Estado, e também por meio do associativismo e grupos de interesses, esses poderão atuar de maneira mais incisiva na esfera pública em busca do tão almejado “bem comum”.
O autor J. Habermas, em sua teoria deliberativa da democracia fala a respeito da esfera pública, lugar onde os indivíduos, imbuídos de diferenças sociais, por intermédio de grupos, deliberam a respeito de interesses coletivos. A esfera pública tem o poder consultivo e de pressão que age sobre o sistema, onde se encontra o Estado e o mercado. Em contraposição aos autores minimalistas, Habermas diz que quando a esfera pública atende aos critérios de  publicidade (sendo estes: 1. modo como deliberam; 2. quem delibera; 3. escopo das questões debatidas; 4. razões apresentadas), a opinião pública pode então ser considerada racional, pois não há relação de poder e dominação na esfera pública entre os participantes, nem por parte de qualquer intruso que faça parte do sistema.
3.1         FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS: SOCIEDADE CIVIL, POLICY MAKERS E BUROCRATAS
Após análise teórica entre maximalismo e minimalismo, é possível constatar que por meio de um regime democrático participativo, seria possível a sociedade civil ter capacidade de, na esfera pública, deliberar racionalmente a respeito de interesses particulares e coletivos, que por sua vez convergirão para criação de vontades coletivas representadas por uma série de grupos e associações civis, que levarão essas aos Policy Makers, os quais então terão um papel importante a cumprir, como fora dito anteriormente.
Elisa P. Reis, Ph.D. em Political Science no Massachusetts Institute of Technology, e atualmente, professora titular de Sociologia política na Universidade Federal do Rio de Janeiro, trabalha em seu artigo Política e Políticas Públicas na Transição Democrática, as concepções de Política e políticas públicas, através de inspirações weberianas, considerando os burocratas ou administradores, e os políticos ou lideres representativos (REIS, 2010). A ação dos burocratas, de acordo com E. Reis é em contrapartida à dos formuladores, a de administrar “firme e fielmente as ordens que recebeu de autoridades superiores – do estado burocratizado, racional-legal - a ponto de internalizá-las e torná-las quase uma convicção pessoal”.
A partir de um estudo a respeito da atuação desses dois atores, policy makers e Burocratas, nos Estados Unidos e alguns países da Europa, E. Reis definiu quatro perfis específicos para retratar a atuação dos políticos e dos burocratas como formuladores de políticas. Constatou que a formação de um tipo “híbrido puro”, que funde completamente os traços burocráticos e políticos é inevitável. Em suma, ela afirma que embora a burocracia seja preponderante para a manutenção da democracia, podendo tanto quanto a liderança política, agregar interesses, esta também encontra algumas limitações a medida do caminho. A agregação de interesse discrimina contra interesses não organizados; tende a limitar-se no âmbito de setores funcionais particulares, fazendo uma mediação segmental de interesses, no entanto, incapaz de articular interesses intersetoriais; por fim, a participação administrativa no processo de formulação de políticas revelasse conservadora, pelo fato de agregar interesses que firmam a correlação de forças existentes. É como se os burocratas garantissem a estabilidade, e os políticos, a inovação e a criatividade em suas formulações de políticas públicas (REIS, 2010).
A autora conclui seu artigo afirmando que parece claro que é da própria não-cristalização de forças sociais que a democracia retira sua força ideológica para fazer o contrapeso do impacto sedimentador da burocracia. É esse desafio de reconciliar interesses contrários que faz da Política um recurso estratégico valioso. Mesmo que sempre tentando fazer o impossível, e que apenas alguns participem, em última instância ainda, do processo de políticas públicas (REIS, 2010).
Acredito que a atuação da sociedade civil na esfera pública, não se limita à pressão que esta causa no sistema, composto pelo Estado e o mercado. Mas à medida que a democratização de esferas não políticas se fizer presente, e as pessoas passarem a participar de associações civis, estas possuirão maior consciência política. O cientista político R. Putnam (2000), fala a respeito de tal consciência, devido à participação democrática no caso da Italia. Esta incute em seus membros hábitos de cooperação, solidariedade e espírito público no âmbito interno. Os indivíduos têm mais confiança social, participação política e “competência cívica subjetiva”. No âmbito externo, afirma R. Putnam, “essa “articulação de interesses” e a “agregação de interesses”, intensificados por redes de associações secundarias, ao mesmo tempo incorpora e promove a colaboração social.” Para Putnam, o associativismo é a precondição necessária para o governo democrático.

4.            CONCLUSÃO

 Por fim, acredito que a democratização das instituições de ensino seria a melhor opção a médio e longo prazo, para que nas próximas décadas, tanto em países em desenvolvimento, quanto nos quais se encontram num estado de desenvolvimento político-econômico elevado, estes possam permanecer constantes na busca pelo ideal democrático, apresentado por R. Dahl (1997), e gerar uma participação mais efetiva da sociedade perante o Estado, contribuindo para a formulação e, quem sabe um dia até fiscalização das políticas públicas. Só assim haverá um real feedback, como dito por Pateman, entre os inputs e outputs, ou seja, entre participação e decisão. Com uma cultura política desenvolvida desde os primeiros anos nas instituições de ensino, os futuros cidadãos terão maior consciência política e participação, e os representantes políticos eleitos maior accountability perante a sociedade.

  
REFERENCIAS


DAHL, R. A. (1997). Poliarquia: participação e oposição. São Paulo, Editora EDUSP.

PUTNAM, R. D. (2000). Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro, Editora FGV.

PATEMAN, C. (1990). Participação e teoria democrática. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra.

SCHUMPETER, J. (1984). Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

BOBBIO, N. (1987). Estado, governo e sociedade: para uma teoria geral da política. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra

LÜCHMANN, Lígia Helena Hahn. Possibilidades e limites da democracia deliberativa: a experiência do orçamento participativo de Porto Alegre / Lígia Helena Hahn Lüchmann . Campinas, SP : (s. n.), 2002. Orientador: Rachel Meneguello. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.

SARTORI, Giovanni – "Democracia governada e democracia governante", in: A teoria da democracia revisitada. V. 1. São Paulo: Editora Ática, 1994. pp. 123-180

SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. In: Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45

REIS, Elisa Pereira. Política e políticas públicas na transição democrática.1988. Seminário Internacional sobre O Estado e as Políticas Públicas na Transição Democrática Recife, 18-20 de Maio de 1988



             Evilazio de Queiroz Pita Coelho, acadêmico do curso de Relações Internacionais e Ciência Política pelo Centro Universitário UNINTER, em Curitiba, no Paraná. Email: evilazio.coelho10@gmail.com.

6.6.13

INFERNO - DAN BROWN


Dan Brown novamente voltou a ser assunto no meio literário, talvez nunca tenha saído, mas, com o lançamento de seu novo livro, INFERNO, as vitrines das livrarias voltam a ser seu palco. Depois de ficar mundialmente famoso com o megaseller, O CÓDIGO DA VINCI, seus outros lançamentos também ficaram conhecidos, nessa lista se incluem, FORTALEZA DIGITAL (seu primeiro livro), PONTO DE IMPACTO, ANJOS E DEMÔNIOS e O SÍMBOLO PERDIDO.

A característica principal de Brown é levantar assuntos, digamos, polêmicos, como igreja e maçonaria, suas primeiras obras (Fortaleza Digital e Ponto de Impacto) talvez fujam um pouco  dessa regra, embora, não totalmente, afinal, falar dos bastidores da Agência de Segurança Nacional Americana (NSA) e da maior agência espacial do mundo (NASA) pode não gerar tantos comentários quanto dizer que Jesus não é filho de Deus, porém, é o bastante para prender o leitor na história.

Além de "temas" polêmicos, outra característica bastante marcante nos livros dele, é sem dúvida a construção dos personagens. Sendo eles, cativantes, inteligentemente construídos e com personalidades bem definidas, como é o caso do protagonista de quatro das seis obras,  o professor de simbologia de Harvard Robert Langdon.



No novo livro de Brown, Langdon volta a ser o protagonista da história. Depois de sobreviver a uma caçada humana, uma explosão de antimatéria e de um vilão perturbado por símbolos, o professor Chuck Norris (desculpe o trocadilho) acorda sem memória em um hospital em Veneza. Mal sabe ele que uma conspiração fruto de um membro transhumanista pretende disseminar um vírus no mundo, com o objetivo de eliminar grande parcela da população. Tal genocídio é justificado pela teoria Malthusiana da superpopulação, ou seja, tem gente demais no mundo.

Enquanto Robert foge do hospital de pessoas que querem matá-lo (novamente eles querem matá-lo), ele precisa recuperar sua memória e desvendar os misteriosos enigmas que se encontram com ele. Outra figura marcante nas narrativas de Dan Brown, é a presença da personagem feminina, em INFERNO, a Dra. Sienna Brookes   ajuda Langdon na fuga do hospital e na corrida para interpretar o misterioso "mapa do inferno" que eles descobrem em um tudo dentro do paletó do simbologista.

O vilão do livro é obcecado pela mais famoso obra literária, A DIVINA COMÉDIA de Dante Aliguieri, e fica a cargo de Robert Langdon encontrar a localização do vírus que pretende acabar com parte da população mundial seguindo as pistas deixada por ele nas obras referentes a Dante. 

Paris, Vaticano, Washington D.C, e agora Itália, são os palcos das obras literárias do aclamado Dan Brown. Talvez, não tão polêmico quanto os outros livros que tem Robert Langdon como protagonista, isso pode desapontar alguns fãs que esperavam algo "mais revelador", porém agrada a todos no sentido de reviravoltas e surpresas, e também para aqueles que "lerem nas entrelinhas" vão poder perceber as sutis alfinetadas que o autor deixa no livro.

Para todos os fãs de boa literatura e é claro, das obras de Dan Drown, o novo livro é sem sombra de dúvida uma boa pedida. Com medo de fazer mais spoillers, termino minha análise por aqui. Boa leitura.



Pedro Almeida 

Recomendações de Leituras do Mesmo autor 

- Fortaleza Digital
- Ponto de Impacto
- Anjos e Demônios
- O Código da Vinci
- O Símbolo Perdido

25.5.13

PERPETUUM MOBILE (MOTO-PERPÉTUO)

“Demasiado audacioso aquele que, pela primeira vez, rasgou os traiçoeiros mares em tão frágil embarcação;
viu a sua terra atrás de si e entregou a vida aos ventos inconstantes;
cortando as águas com uma rota incerta,
ousou confiar numa tábua precária,
desenhando-se uma tão ténue             
fronteira entre a vida e a morte.” (Medeia. Pag.57. COLEÇÃO AUTORES GREGOS E LATINOS: Serie textos, 2011. Sêneca, 4.AC/I.DC – 65.DC) 

   Nuvens! Tudo que vislumbro são nuvens; algumas azuis como o olhar da pequena que me espera em outras terras – amantes que se estimam asfixiam Cronos com a força que os músculos da vontade dispõem e rasgam o reino de Poseidon com a velocidade que a angustia proporciona – outras são rosas como o algodão doce que mamãe comprava nos parques de diversão que freqüentava na infância. Não sei porque os deixei de freqüentar! São divertidos, encantam; coisas de criança. Mas espere! Sou criança, de que modo não haveria de ser. Choro, sapateio – com pouca freqüência agora que pago aluguel, mas assim que assino o cheque corro para o quarto, tranco a porta e começo o show. Não há platéia, apenas eu e meus demônios. Continuo obcecado com as nuvens, como não haveria de ficar, são tão belas. Parecem macias, mas não são de comer. Que pena! Pé por pé vou me aproximando delas, a montanha é íngreme, mas já me habituei, olho para os lados; esquerda, direita; o piolet faz seu trabalho com louvor; uma gota de suor gélido escorre sobre a pele que cobre a face direita do aventureiro sem chupeta, aqui em cima é frio! Cheguei!
O bebê ressurgiu com saúde. Vitalidade que o faz despertar para um mundo entorpecido pela vitoria numérica dos idiotas. A esperança pela verdade se auto rejuvenesce, um futuro! Acredito no sono eterno, um infinito nada que nos alcançará, nada mais que um pleno repouso sobre a cama do tempo; fortuna lhe espera com os braços abertos, aconselho não a perder do horizonte.
Aqui do alto da montanha recordo os finais de semana passados ao som de Bee Gees. Saio do meu quarto, a casa é grande... Pequeno burguês? Pare com essa baboseira de luta histórica, os problemas do cotidiano são extremamente maiores que isso!...Corro pelo corredor que liga o quarto à sala principal, mãe e mana assistem televisão, passo por elas como um relâmpago, estou quase chegando, falta pouco; diminuo a velocidade ao passar pela sala de jantar, copa e cozinha chego à varanda transpirando abacaxi.  Círculos de fumaça desaparecem ao chocarem-se com o teto, o vento é gelado, isso não importa, pois estou agasalhado;  ordem de mãe;  desobedeça e verás jovem gafanhoto! Olhares se cruzam, ambos sabemos o que queremos, meu herói!...
Posso ver o cume de outras montanhas, não estou na mais alta, mas as arvores já não são visíveis. Fico a imaginar; dentre os pensamentos que surgem um se destaca, um homem, pensador, mestre; seu nome aparece como trovão, apaziguando o cotidiano, Zygmunt Bauman!
Seus passos são lentos, andar de homem velho, fisiologicamente defasado pela vida, mas como diria Sêneca, ao sábio nada falta. Não necessita de algo como premio. Aproxima-se da janela do escritório; um lugar limpo por livros, de Cervantes a Saramago, passando por Kafka e George Orwell; uma escrivaninha se destaca juntamente com a poltrona e a maquina de datilografar; fumaça circunda a boca da xícara com chá pela metade, ao lado maçã e bolachas aguardam o bote. O velho toma o chá, arranca um pedaço da maçã e após esfarelar três bolachas de uma só vez com suas mãos repletas de manchas pretas e rugas ondulares que dão forma a uma superfície repleta de obstáculos manda o pó ao pó. Encara a rua silenciosa, é final de semana, com o movimento nulo ouve-se a musica orquestrada pelo casal que namora na praça em frente, melodia construída a cada afago executado.
- Esqueça o destino: estar em movimento, e pular sobre os obstáculos ou afastá-los com um chute, é isso que da sabor a vida.* Rasgar a cortina, compreender a vida...Que significa isso?**
O velhote soltava as frases ao vazio do escritório, reciprocidade silenciosa era proporcionada pelos defuntos empoeirados. Isso não importava, continuava a ritual: um gole de chá, mordida na maça, encontro entre o pó da bolacha com o pó do individuo. O olhar continua atento, firme, profundo e afetuoso.
- Antes de agir, não há como ter certeza de que os erros não serão cometidos, assim como é impossível saber de antemão se, no fim do dia, teremos provado estar à altura das circunstâncias. O protesto não é a única atividade a que esta regra se aplica. Não há receitas para uma ação à prova de erros, totalmente confiável, “sucesso garantido ou seu dinheiro de volta”; quanto mais importantes forem as ações para nós e para os outros, mais incertos ou mais impossíveis de prever serão seus resultados. Ao contrário do que acontece quando você tenta abrir a embalagem da nova engenhoca da moda que acabou de comprar, as escolhas de vida não vêm com manual de instrução a seguir ponto a ponto. Viver é assumir riscos....*** Aceitar placidamente o mundo e colaborar com a acumulação de injustiças que contestamos com palavras também é uma escolha, tal qual o protesto e a resistência ativa que dirigimos contra as iniqüidades endêmicas que o mundo nos força a seguir de modo obediente. A vida só pode ser uma obra de arte se for uma vida humana, a vida de um ser humano, isto é, de um ser dotado de vontade e liberdade de escolha.****
Voltaire! Sim, ele percorre minha teia cerebral quando afirma que o homem não pode dar a si próprio nem sensações nem idéias, recebe tudo de fora; a dor e o prazer lhe vêm de fora, como sua existência. Gosto da idéia, embora acrescentaria a participação do interior que percorre o exterior ao término do processo tal como a transformação do gás carbônico em oxigênio pelas plantas ou do oxigênio a gás carbônico pelos animais. Ao longo do trajeto jogo todas as fixas que possuo no caráter, fator que nutri o destino com certa chama particular, um código de barras divino.
As nuvens definitivamente não são de algodão, mas que importa que sejam, elas estão ali contemplando a criação. Aqui do alto meu coração dispara, fico feliz em ter como grande mestre o homem que vislumbrei em seu escritório mofado, lá ele se despedia do dia, aqui eu começo a me despedir das nuvens, é necessário descer. Antes um ultimo suspiro, fôlego que a vida proporciona e que deve ser agarrada com total zelo. Tolos são os homens que não sabem saborear um prato refinado de comida...
A mesa estava posta, já era madrugada, acho que o ponteiro das horas riscava o numero três. A conversa fora longa, a comida em cima de mesa continuava a ser degustada, bebidas umedeciam a boca e uma boa brisa socava nossa cara; cachorros latiam ao fundo. Vizinhos podem ser insuportáveis quando deixam seus cachorros dançarem tango no quintal dos fundos, mas desta vez era diferente, os latidos eram belos, creio que uma grande virtude se esconde atrás das circunstancias mais inesperadas da vida. Agora descendo a montanha vejo uma cama de hospital, cabelos brancos está sentado em cima dela, respira com dificuldade, seu olhar se esvai ao longe.
- Vivemos em um mundo de tolos que nos destrói...
Sua fraca voz, muito ofegante, prosseguia dizendo:
- Como é grande meu amor por você...
Agora choro. Não acredito em metafísica, embora seja um leigo cósmico, mas confio nessa peculiaridade chamada amor.
O velhote mais uma vez surge como uma nuvem muito clara que se põe sobre a montanha. Sentado em sua poltrona cor de rubi, observa seus empoeirados livros enquanto bafora bolas de fumaça após algumas cachimbadas, não se abstém, dizendo em voz alta para eles:
- Eu acredito – e não vejo uma razão valida para rever essa crença – que é possível um mundo diferente e de alguma forma melhor do que o temos agora. Então, talvez eu pertença à terceira categoria – não sou nem otimista nem pessimista – que se mantém fora da querelle de famille; a categoria dos homens com esperança.*****
Estou no chão, daqui vejo a montanha grandiosa com todas as suas pedras, hora pontiagudas, hora lisas, subirem às nuvens; o sol irradia sua ultima brasa, não haverá outro dia como esse. Aqui do chão muito já me disseram sobre os homens e suas crenças; bando de hipócritas sem tino de sensatez. Considero o velhote um grande pai intelectual, primeiro de poucos que virão; uns dizem que ele pode ser considerado um “pensador para mulherzinhas”; para esses, recomendo deixar a bíblia dos ressentidos de lado e buscar nos medievos a honra que vos falta; há também aqueles que o consideram “auto-ajuda para donas de casa”; aconselho chorar de vez em quando debaixo do chuveiro com a água bem quente para destruir sua carga simbólica, fará mal à pele e bem ao espírito.
Quando conheci o velhote era um simples garoto perdido no tempo e nas idéias, agradeço imensamente por ter guiado meus pés para a montanha; mas em breve farei 18 anos e como consta em nossa constituição serei adulto. Maduro? Um homem de facto? Não, definitivamente ainda não. Guardarei seus ensinamentos na memória e tal ato por si só bastará. Grato velhote!
Meu querido cabelos brancos, a você mais que minha gratidão, meu amor incondicional e eterno; o nada que segue à frente entoara nossa prosa musicada e nossas reuniões semanais ficaram na memória da eternidade cósmica, um eterno nada que retumba algo que pode vir  a ser coisa, uma hipótese claro, mas configura-se em hipótese viva.
Com todo zelo que possuo pelo conhecimento faço da sentença de Nietzsche minhas palavras destinada aos parasitas que habitam e destroem vorazmente a tentativa reflexiva de meu tempo

“não levo em nenhuma consideração os eruditos contemporâneos e dou assim a impressão de contá-los no numero das coisas indiferentes. Mas se se quiser refletir tranquilamente sobre coisas sérias, não se deve ser incomodado por um espetáculo repugnante. Neste momento volto, contra minha vontade, os olhos para eles para lhes dizer que não me são indiferentes, mas que gostaria de bom grado que o fossem para mim.” (O Livro do Filosofo, Pág.65. NIETZSCHE)

         Estou em casa e uma tremenda vontade de dormir me domina; já é sábado; meu corpo desfalece e assim como os Argonautas enfrentaram os mares, enfrento as paredes do meu quarto. Uma breve recordação prediz um lindo sentimento, aguardemos seu despontar nas redondezas do coração; não somos pedras fixas para deixar de amar. Assim os sentimentos tornam-se prelúdios de simples gestos atemporais. Viva meu filho; apenas viva para a vida que ainda não te descobriu. As palavras servirão de adorno para seus lamentos, conforto às tumultuadas paixões e luz sobre inevitáveis contradições existenciais. Hoje sonharei com astros e nada mais.

Notas
1. Fragmento retirado do livro “Isto não é um diário”. Pág.08. Bauman, Zygmunt.
2. Fragmento retirado do livro “Isto não é um diário”. Pág. 64. Bauman, Zygmunt.
3. Fragmento retirado do livro “44 cartas do mundo liquido moderno”. Pág. 214. Bauman, Zygmunt.
4. Fragmento retirado do livro “44 cartas do mundo liquido moderno”. Pág. 215. Bauman, Zygmunt.
5. Fragmento retirado do livro “Capitalismo Parasitário”. Pág. 87-88. Bauman, Zygmunt.





  

23.5.13

D.....EU....S




Nota do Autor:

O texto "D...EU..S" faz parte de uma série de textos que postarei com o debate sobre a filosofia de Deus, o interesse aqui, não é gerar polêmicas sobre religião, e sim, apenas ocasionar um pensamento critico sobre as questões, o que, afinal é o intuito do blog. Contudo, opiniões são bem vindas, caro leitor, convidamos a postar um comentário com vosso entendimento. Boa leitura.


D...EU...S*

Durante milênios os seres humanos buscam um significado maior a sua "existência", contudo é relevante considerar a variável, quando o ser humano começou a acreditar em Deus?. Responder a esta pergunta seria um grande passo para encontrar a resposta de outro questionamento "o que é Deus?". Cogita-se a hipótese de que Deus exista ou não, assim como acreditamos em ritos transcendentais de eras de culturas anteriores a nossa, talvez seja o colapso cultural que vivemos atualmente que nos coloque em dúvida quanto a tudo o que acreditamos e no que nos foi feito acreditar.

Afinal, você acredita em Deus por que você acredita ou porque você simplesmente teme não acreditar nele? Um novo paradigma nasce quando consideramos a hipótese de um criador universal, entretanto considerar tal pensamente é deixar de lado anos de ciência e explicações racionais que tanto levou a evolução dos nossos métodos científicos. Enfim, dizer que Deus existe é uma premissa que não se pode provar, contudo esbarramos em uma contradição, pois também não se pode provar que ele não existe. Assim como também somos induzidos ao mesmo empecilho quando a questão é, ET'S existem? 

Quando o homo sapiens começou a tomar consciência de sua existência passou a deixar seus primeiros traços de cultura nesse mundo. Podemos dizer então, que foi nesse período que eles começaram a dizer que Deus os havia criado. Necessidade de auto afirmação? Explicação de algo que não se pode explicar? finalmente não se sabe o motivo de surgir Deus. Pelo menos o Deus que conhecemos agora não surgiu do nada, a filosofia monoteísta surgiu após várias épocas de politeísmos arbitrários, divindades ligadas a elementos e animais. Agora o que levou a um monte de deuses se tornar simplesmente Deus, onisciente e onipotente também é algo inexplicável.

Por que acreditamos em algo que não podemos provar? Volto a dizer, acreditamos por medo ou por fé? Você tem fé por que tem fé, ou por que tem medo? Pois acreditar em Deus por medo, de nada adianta, você está apenas se contradizendo. Contudo uma consciência superior que governe nosso destino parece algo muito mais fácil de aceitar do que nos culpar pelos nossos próprios atos. Afinal como coincidir livre arbítrio e destino? como coincidir deuses e Deus? Por anos buscamos as respostas para tais perguntas sem nunca chegar a uma conclusão, talvez só no final dos tempos, só quando morrermos iremos descobrir as tais respostas que tanto almejamos, a questão é, estamos prontos para as respostas? Será que aguentamos as respostas que procuramos? Vamos torcer para que sim!

p.almeida

*(Acredito não se fazer necessário explicar o trocadilho com o titulo do texto)

16.5.13

O CLÃ DOS LOBOS

(...) a postagem mais visualizada do blog, revisada e re-postada (...)


O CLÃ DOS LOBOS 


Houve uma  época muito antiga onde o mundo era comandado por clãs,  que guerreavam por comida e sobrevivência. Nessa tempo nasceu Heractor, um forte menino filho do líder Kashart. O clã dos lobos era o mais temível e respeitado de todo o norte, eles moravam no coração da floresta mais sombria e antiga, no mundo todo não havia nenhum clã que ousasse desafiá-los. Como tradição da tribo a liderança só poderia ser passado para o primogênito da familia principal. Para garantir a permanencia da familia no controlo do clã era costume os líderes terem filhos homens, porém, quando uma menina nascia eles a abandonavam na floresta no dia em que elas menstruassem para que os lobos a devorassem, e assim o líder poderia revindicar aos espíritos um novo filho. 

Quando Kashart morreu de velhice seu filho foi proclamado líder do clã e se casou na tradicional cerimonia da tribo com a linda Ishitary uma corajosa e guerreira mulher. Após duas luas ela engravidou e toda a tribo comemorou a vinda do novo herdeiro e futuro líder da tribo.

...
 
No sul da floresta o clã das águias se fortalecia a firmar uma aliança com o clã dos crocodilos, eles pretendiam lutar e exterminar o clã dos lobos quando estivessem preparados para isso.

...
 
Após nove luas cheias Ishitary deu a luz e para desgosto de seu marido era uma menina. Apesar de ficar triste Heractor amava a garota, contudo sabia que se não tivesse um filho homem a sua linhagem de lideres estaria condenada e os espíritos abandonariam a sua família, então ele prometeu que quando a menina batizada de Ailira menstruasse ela seria levada no coração da floresta e deixada para os lobos.

Ailira cresceu e a cada dia se tornava mais forte, ela possuía o espirito guerreiro de seu pai e a coragem da mãe, não era como as demais meninas da tribo, ela não gostava de cozinhar e nem de costurar, preferia caçar na mata e aprender a lutar com espada e arco. Seu pai mesmo sabendo do futuro da menina a treinou como um guerreiro do clã, lhe ensinou a matar e a brandir uma espada, lhe ensinou a atirar flechas e a lutar com os punhos, a menina era capaz de lutar contra qualquer um da tribo de igual para igual. Mesmo sendo forte ela ainda era uma mulher e por tradição não poderia dominar um clã, e para tristeza de seu pai quando ela completou 15 luas cheias seu sangue escorreu pelas pernas.

Sem conhecer esta tradição Ailira fora levada pelo pai e pelos guerreiros até o coração da floresta pensando que iriam apenas caçar, e sem notar atingiram sua cabeça com o punho de uma espada, deixando-a desmaiada na floresta.

Ailira acordou com a cabeça doendo, sua espada estava caída ao seu lado e uma mancha de sangue manchava as folhas secas que estavam no chão. Com dificuldade ela se levantou, e assustada começou a olhar por sua volta, estava escuro e frio e ela podia escutar o uivar dos lobos, o coração da jovem começava a bater acelerado e um fio de suor escorria pela sua face. Ela segurou fortemente o cabo da espada, sabia que correr apenas atrairia mais os lobos, seu clã conhecia os hábitos de caça das feras, eles atacariam em bando, e ela teria poucas chances de sobreviver, sua unica esperança era ser ajudada pelos guerreiros do clã.

...

Do outro lado da floresta o exército dos clãs da águia e do crocodilo avançavam para a tribo dos lobos, pretendiam extermina-los pelo domínio completo da floresta. Já era noite e a lua cheia iluminava a clareira da floresta quando os exércitos atacaram. Os gritos das mulheres e crianças encobriam a noite. Heractor e os outros guerreiros rapidamente pegaram suas armas e partiram para a luta, o sangue dos guerreiros lavava o chão e o barulho das espadas perfurando a carne dominava tudo, o líder do clã dos lobos percebia que estavam em menor numero e não poderiam vencer aquela luta, aquele seria o fim do mais tradicional e antigo clã.

...
Ailira permaneceu parada quando ficou cercada pela alcateia, eles eram enormes e exibiam sua presas e garras, rosnavam e uivavam, preparavam para atacar a presa solitária. Um pouco a frente da alcateia estava o maior lobo que Ailira já vira, branco como a neve e furioso como o demônio, "deve ser o líder" pensou ela, então uma esperança surgiu no coração da garota, "se eu matar o líder talvez a alcateia não me mate", então ela gritou e avançou com espada em punho, o enorme lobo a atacou também, por um segundo as lições de seu pai vieram na sua cabeça, e quando o lobo atacou com as garras ela rolou no chão e apunhalou a espada na barriga do lobo que caiu com um grito de dor que ecoou pela floresta.

...
 
O clã estava levando a pior, os guerreiros não aguentariam por muito tempo, mesmo que lutassem até o ultimo homem não poderiam vencer, um grupo de guerreiros levava as mulheres e crianças pela floresta quando se depararam com Ailira olhando para eles. O guerreiro explicou que o clã estava sendo atacado e seriam derrotados em pouco tempo. Ailira então sentiu vontade de chorar quando o guerreiro falou que sua mãe estava morta e seu pai lutava bravamente para proteger o clã, então ela olhou para a lua e gritou o mais forte que pode " a mim todos os lobos".

...
 
Ao matar o líder dos lobos a alcateia havia recuado e reverenciado a moça guerreira, os animais apesar de ferozes estavam banhados pelo espirito do grande deus lobo e viam na moça guerreira o dom de dominar, ela fora a primeira humana a matar um lobo branco em séculos.

...
 
Heractor estava quase morrendo, lutava contra três inimigos ao mesmo tempo, ao olhar envolta podia ver quase todos seus guerreiros caírem, as casas pegavam fogo e a derrota era iminente, então, quando quase abandonou a esperança ouviu o uivar de centenas de lobos vindo da floresta, e como um milagre um exército de lobos avançou sobre os inimigos, dilacerando, matando e esquartejando todos os guerreiros.

Ailira se ajoelhou diante de seu pai e disse "me perdoe por não ser homem papai, mas tudo o que fiz foi para proteger as pessoas que amo". Heractor sentiu seu coração gelar quando escutou aquilo e disse: "hoje uma nova tradição nasce no nosso clã, o reinado passará pela primeira vez para uma mulher, e de hoje em diante não importa quem seja, aquele que ouvir os lobos e lutar pelo clã merece o respeito de dominar"

Então a tribo se restabeleceu a reputação de Ailira se espalhou pelos reinos, e o clã dos lobos ficou ainda mais temido agora que além de guerreiros eles comandavam todos os lobos da floresta.

...

Moral da história:

"Não importa quem você seja, não importa aonde você vive, o que importa é o que você acredita e naquilo que você quer defender, seu coração e sua determinação poderão leva-lo a lugares que você nunca imaginou, não será fácil por isso você não pode desistir"

Pedro Luiz de Almeida